Como nasce um quadro?


"Um beijo para Camille"



"A Música- I" (1895)
Gustav Klimt
(1862-1918)


"O pensamento" (1886)
Camille Claudel serviu de modelo para esta obra
Auguste Rodin
(1840-1917)




"O Beijo"(1907-1908)
Auguste Rodin





"Um beijo para Camille"
Fernando Campos Maia
Acrílica sobre tela
65 x 100 cm
2004
Coleção Particular

Como nasce um quadro? ( "One More Kiss")








"O Pensador"(1880)
Auguste Rodin (1840-1917)


"Danaíde"(1885)
Auguste Rodin


Gustav Klimt(1862-1918)
Desenho


"O Beijo"(1907-1908)
Gustav Klimt


"One More Kiss"
Fernando Campos Maia
Acrílica sobre tela
65 x 100 cm
2004
Coleção Particular 

Como nasce um quadro- (O Semeador)



                                         
 "O Semeador" de Vincent Van Gogh(1888)


                                       
 "Maças e Laranjas" de Paul Cézanne(1895-1900)


                                          
"O Bar do Folies-Bergère" de Édouard Manet(1882)




                                       
"A Mesa de Jantar Vermelha" de Henri Matisse(1908)


                                          
"O Semeador" de Fernando Campos Maia
 Acrílica sobre tela - 65 x 100 cm - 2003
 Coleção Particular

"Amores e farelos"





Amor em pedaços
Pedaços de laços
Cadarços

Amor aos tropeços
Começos de fim
Amores sem mim

Assim, assim...

Amores amarelos
Amores de sobras
Amor aos farelos

Restos de si
Farelos de sim

Amor sem compasso
Sempre a um passo
Estardalhaço

Amor de sucesso
Amor de fracasso
Amor em bagaço

Amor sem harmonia
Amor em agonia
Ainda há sintonia?

E aquela sinfonia?

Amor sem concerto
Desafinado

Amor aos reparos
Amor consertado

Amores afinais
Destruídos
Destituídos
Desmanchados
Desenlaçados
Desembaralhados
Descabelados
Desiludidos
Desconstruídos
Desenrolados

Amores vividos
Amor aos retalhos
Retalhos sofridos
Sortidos
Amores amados


Fernando Campos Maia

                    Maio-2011



* Imagem: Giulietta Masina em'Noites de Cabíria', filme de Fellini.

Diálogos Poéticos


SOBRE ILUDIR-SE E DESILUDIR-SE

É bom começar amores...
É bom terminar dissabores...
É bom ser livre para ser...
É bom ter condição para ter...
É bom conduzir na ilusão...
É bom conduzir-se na desilusão.
Amores começam na ilusão...
Dissabores começam na desilusão...
O ser inaugura-se na ilusão...
O ter se impulsiona na desilusão.
Fiquemos então assim...
Amores sempre salpicados de dissabores...
Tendo sempre aquilo o que se é...
Ou se preferir...
Sendo sempre o que se tem.
E nunca...
Mas nunca...
Deixar de iludir-se...
Para então...
Com o inevitável advento da desilusão...
Lançar-se mais outra vez!!!!!

Marcos Caetano
30/04/11

" SOBRE  NADA  NO  AR “

                                       Sobre todo amor
                                       Sobre sair
                                      
                                       Sobre todo entrar
                                                         arder
                                                       gemer
                                                        gozar

                                       Sobretudo,    agir
                                       Renegociar
                                       Redirecionar
                                       Redigir
                                       Digerir

                                       Sobre todo  o  mal
                                                        da dor                                
                                       O bem viver
                                       Matar e morrer
                                       Suscitar
                                       Ressurgir

                                       Sobre    todo o  sal
                                                      do amor
                                       O   pôr -   do -   sol
                                       O   som    do    Tao
                                       O nascer   por    vir

                                        Sobrevoo      duplo
                                        Sobrevoo         uno
                                        Sobrevoo        solo

                                        Sobrevôo   o   solo
                                        Sobrevôo   a    lua
                                        Sobretudo  a   lua!

                                        Sob  a  minha pele
                                        A sua, 
                                        Pele     que      sua

                                         Me trate  
                                         Me sele
                                         Me possua

                                         Entre e saia de mim
                                         Sobressaia  à   mim

                                          Sobressaia   à   si
                                          SOBRESSAIA-SE

                                          Sobre    cada    ato
                                                        cada  fato
                                          Sobre      o     salto
                                               E !!

                                          Sobre      o      ator
                                                         o       ato
                                                         o     salto
                                                                 alto
                                           SOBRESSALTO

                                           Sobretudo    nada
                                           O mato e  o  nada
                                           O mar  e   o  nada
                                           O  ar    é   o  nada


                                   Fernando  Campos  Maia
                                                  6 Maio / 2011

PESADO NOVELO - PESADELO





PESADO NOVELO – PESADELO 
Cubra-me de calor
Hoje acordei com frio
Não era do quarto
Nem dos lençóis
Sonhei o inferno
Um homem de preto
Já feito
Suspeito
Um homem de terno
Um homem interno
Sopra-me o suor
Das fugas noturnas
Do fogo soturno
Que nos tiram os nós
Arraste-me pelos cabelos
Agarra-me os pelos
Tire-me de lá
Do desconhecido
Reconhecido
Envolva-me
Convença-me
Não me deixe sair
Não me deixe cair
Pegue-me a mão
Mate-me a solidão
Tenho medo do escuro
Tenho medo do eterno
Tenho medo sim
Tenho medo de mim

Fernando Campos Maia
26/04/2011

COBRA

















Olho
Molho os olhos
Molho o molho
Só olho o olho
Molho, me tolho

Sopro        seu          solo             seco
Me encolho

Planto, rego, não colho
Peço, rogo, perdoo
Choro, juro, distraio, voo
Filmo, escrevo, pinto, ecoo
Espero, reflito, discuto, caçoo

Depois acordo, me pego
aos soluços, aos risos
nos        seus        braços     de     novo

Você enfim declara
Repara
D i s p a r a
Me beija
E            eu           a t o r            doo

Você despede
Volta
Me pede
Me suga
Me segue
Eu     c o r r o . . .
E u   tento
Eu coo

Você       s   s   s s s s s i l v a
m o r d e
s u a

Enquanto         eu                     s o o


                  Fernando Campos Maia


*Esse poema gerou o curta "Réquiem para uma musa", do Cinema de Poesia, que, por sua vez, gerou  o quadro homônimo acima.
*Para assistir ao curta clique aqui 

COBRA



















Olho
Molho os olhos
Molho o molho
Só olho o olho
Molho, me tolho

Sopro        seu          solo             seco
Me encolho

Planto, rego, não colho
Peço, rogo, perdoo
Choro, juro, distraio, voo
Filmo, escrevo, pinto, ecoo
Espero, reflito, discuto, caçoo

Depois acordo, me pego
aos soluços, aos risos
nos        seus        braços     de     novo

Você enfim declara
Repara
D i s p a r a
Me beija
E            eu           a t o r            doo

Você despede
Volta
Me pede
Me suga
Me segue
Eu     c o r r o . . .
E u   tento
Eu coo

Você       s   s   s s s s s i l v a
m o r d e
s u a

Enquanto         eu                     s o o


                  Fernando Campos Maia




*Esse poema gerou o curta "Réquiem para uma musa" , do Cinema de Poesia , que, por sua vez, gerou  o quadro homônimo acima.
*Para assistir ao curta clique aqui 

TEXTURA


                   Texto resumido
                            comprimido
                            escorrido pelos dedos.

                   Texto corrido
                            cumprido
                            sofrido pelos medos.

                   Texto sentido
                            coado
                            moído
                            dinossaurografado

                   Texto pintado
                            imantado
                            inventado ou recontado?

                    Texto enviado
                             recebido
                             adicionado ou excluído?

                    Texto agora        só  teclado.